1 de set de 2011

O TREM DE FERRO

Num trem, em grande disparada,
pai e filho corriam e ambos o que viam?

As montanhas, os montes, os horizontes,
O matagal cerrado, os penedos, os rochedos, os arvoredos...
Tudo a correr com a rapidez do vento tresloucado!
E o trem, que era, em verdade, o que corria,
Parecia estar parado!

A criança, o petiz, cheio de espanto, lhe perguntou:
- "Papai! Por que é que tudo, ao longe, está correndo tanto
e o trem daqui não sai?"

Os passageiros riam, pois sabiam que o petiz se enganava!
O trem, que parecia estar imóvel,
Era, de fato, o que corria e voava.

Dos passageiros todos, um somente nem de leve sorriu.
E, então, os passageiros riam dele, porque ele não riu!
E o poeta (era um poeta...) disse então:
- É natural, senhores, o engano do petiz iludido:
Muitas vezes, a nós a mesma coisa já tem acontecido.

E vós, ó meus senhores, os cientistas, os sábios, os doutores,
Caís no mesmo engano lisonjeiro.
Pois, afinal, todos nós nos enganamos,
Quando, todos os dias, exclamamos:
-"Como é que o tempo passa tão ligeiro!"
Quando nós é que passamos!

(Catulo da Paixão Cearense)

Nenhum comentário: